Parlamentares britânicos acusam Facebook de dar acesso a dados de usuários

Congressistas obtiveram documentos de investigação revelando atuação de companhia em resultados eleitorais | Foto: Mandel Ngan / AFP / CP Memória

O Parlamento britânico acusou nesta quarta-feira a rede social Facebook de dar a empresas como Netflix acesso preferencial aos dados de seus usuários, inclusive depois de ter tornado mais rígidas suas normas de privacidade em 2014-2015. O comitê sobre mídias do Parlamento britânico publicou mais de 200 páginas de e-mails internos do Facebook, que obteve enquanto investigava a forma como a companhia foi utilizada para influenciar os resultados eleitorais em vários países.

Esses e-mails aparecem em um processo contra o Facebook na Califórnia pela agora extinta empresa de criação de aplicativos Six4Three. Segundo o presidente do comitê, Damian Collins, essas comunicações entre Facebook e Six4Three não deixam claro se os usuários sabiam que estavam utilizando suas listas de amigos e outras informações privadas. “O Facebook realizou claramente acordos com certas companhias, o que significa que depois das mudanças na plataforma em 2014-2015 mantiveram o acesso completo aos dados dos amigos”, escreveu Collins.

“A ideia de vincular o acesso aos dados ao valor financeiro da relação entre os desenvolvedores e o Facebook aparece como um recurso recorrente nesses documentos”, acrescentou. O Facebook disse em um comunicado transmitido à AFP, que os e-mails da Six4Tree “são apenas parte da história e são apresentados de forma muito enganosa fora de contexto”. “Nunca vendemos dados a ninguém”, reagiu o fundador e presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, em uma mensagem postada na rede social.

“Naturalmente, não deixamos que todo mundo possa desenvolver (aplicativos) em nossa plataforma (…) Bloqueamos muitos aplicativos”, acrescentou. O gigante de mídia social dos EUA lançou uma campanha pública em 2014 para acalmar as preocupações dos usuários sobre o vazamento de seus dados. Mas esses e-mails sugerem que o Facebook seguiu uma política de vender informações para um seleto grupo de grandes desenvolvedores de aplicativos, mesmo depois que as mudanças na plataforma foram totalmente implementadas em 2015. O diretor de plataformas e programas do Facebook, Konstantinos Papamiltiadis, disse à AFP na semana passada que a empresa “nunca vendeu dados de ninguém”

* Fonte: AFP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *