Conhecimento digital será compartilhado na Fintech POA em Porto Alegre

Felipe Jorge, porta-voz e co-fundador da Vale do Sulício, para divulgar evento FINTECH POA

O conhecimento de players bem sucedidos em startups, economia digital, e em temas como openbanking e lei PSD2, entre outras inovações, poderá ser acessado na próxima terça-feira no hotel Sheraton, em Porto Alegre. Especializada na conexão dessas plataformas e seus públicos, a startup gaúcha Vale do Sulício decidiu promover o evento Fintech POA, a Revolução do Mercado Financeiro, para integrar esse universo de informações.

Entre às 8h30min e 18h do dia 13, executivos do mercado financeiro, de cooperativas de crédito, empreendedores na área digital e interessados, poderão compartilhar informações junto a palestrantes de expertise. Um deles é o consultor do departamento de regulação do Sistema Financeiro do Banco Central, Mardilson Queiroz, adianta o cofundador da Vale do Sulício, Felipe Braga Jorge. Será de um encontro de inteligência digital.

Cases de startups serão apresentados por nomes já confirmados, como André Ghignatti (cofundador da aceleradora WOW), Dirceu Corrêa Jr. (CEO da Postmetria), Fabio Junges (sócio da Onepercent), Nori Lermen (fundador da Saque e Pague), Rafael Souza (cofundador da Ubots), Ricardo Taveira (CEIO e fundador da Quanto) e muitos outros. De acada 10 startups nove deixam de existir em apenas um ano, diz Felipe Jorge.

Alta mortalidade

Essa taxa média e alta de mortalidade deve-se, também, a falta de troca de informações, conhecimento. A média da idade dos fundadores de startups consolidadas, observa Jorge, é de 42 anos (devido as tentativas anteriores) e não de 20 a 25 anos como se imagina. Mas o setor se expande a taxas impressionantes. No campo das soluções financeiras, o Brasil tem hoje 453 startups, conforme mapeamento da Radar Fintech Lab.

Felipe Jorge esteve nesta quarta-feira no jornal Correio do Povo, quando anunciou o Fintech POA. Sobre a pauta openbanking e lei PSD2, observou que questão é grande interesse. Na Europa a norma obriga todos os bancos a integrarem sistemas com segurança dos dados, e facilidade no intercâmbio entre informações. As instituições trocam dados dos clientes envolvendo saldo e extrato e movimentação de contas. O cartão de um banco dialoga com as outras instituições, o que facilita a vida do cliente.

  • por Heron Vidal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *